A história em quadrinhos: retorno de Jesus à Terra que provocou a ira de grupos religiosos

A história em quadrinhos 'Second Coming', em que Jesus é enviado de volta à Terra e divide apartamento com super-herói, foi cancelada pela editora, após receber ameaças e campanha de grupos conservadores cristãos - mas foi lançada por editora independente.

Na trama da srie Second Coming Segunda Vinda em traduo livre Deus est decepcionado com o desempenho de Jesus em sua primeira passagem pela Terra quando acabou crucificado e ordena seu retorno Foto DivulgaoAHOY COMICS

Uma revista em quadrinhos que tem Jesus como protagonista chegará às bancas dos Estados Unidos em julho, depois de meses de polêmica, acusações de blasfêmia, ameaças e uma campanha online que resultou no cancelamento inicial da publicação da história.

Na série Second Coming (“Segunda Vinda”) Deus está decepcionado com o desempenho de Jesus em sua primeira passagem pela Terra, quando acabou crucificado, e ordena seu retorno.

Desta vez, Jesus vai dividir um apartamento de dois quartos com um super-herói chamado Sunstar, que usa a força e seus superpoderes para combater o mal. O Messias, por sua vez, prefere uma abordagem não violenta. Como passou os últimos dois milênios sem saber o que acontecia na Terra, Jesus fica chocado ao saber como os humanos usam sua mensagem totalmente ao contrario do que ele pregava.

“A história fala do retorno de Jesus Cristo à Terra sob ordem de seu Pai, para que possa aprender a se defender com o maior super-herói do mundo”.

“Mas o que acontece é que eles desenvolvem uma amizade improvável e o super-herói começa a entender como a abordagem de Cristo, apesar do fato de ter feito com que fosse crucificado (da primeira vez que esteve na terra), é mais relevante do que seus superpoderes para resolver os problemas atuais.”
Quando foi anunciado, em julho de 2018, o projeto não ganhou muita atenção fora do mundo dos quadrinhos. O lançamento estava inicialmente previsto para março deste ano.Mas em janeiro, seis meses depois do anúncio, a notícia começou a chamar a atenção de sites religiosos. No dia 7 de janeiro, o site Christian Headlines (Manchetes Cristãs) publicou um texto com o título “Jesus é o próximo Super-Herói das histórias em quadrinhos da DC”.

A notícia dizia, “contradizendo o que as Escrituras dizem, o livro vai apresentar Jesus como tendo limitações em seu conhecimento e capacidades” Russel deu uma entrevista um pouco que polêmica em que disse acreditar que Jesus era mal representado nas congregações dos dias atuais.

A série é sobre Jesus “ficando chocado com o que vê que foi feito em seu nome”, que “a religião cristã não se baseia realmente no que ele ensinou, particularmente as grandes igrejas evangélicas modernas” e que ” o têm mais como um mascote em camisetas, para provar que estão no time que está ganhando”.

Uma plataforma de petições online que diz promover “vida, família e liberdade”, pedia que a DC cancelasse a publicação da série. o texto da petição dizia “Você consegue imaginar o barulho no meio político e na mídia se a DC Comics estivesse alterando e zombando da história de Maomé ou Buda?”

A petição reuniu mais de 235 mil assinaturas. Russell e Richard Pace começaram a receber insultos e ameaças online. Em 13 de fevereiro, a DC Comics cancelou a publicação da história.

Nova editora

Russell diz que não esperava que a história fosse provocar tanta polêmica antes mesmo de ser publicada. “Suponho que fui ingênuo o suficiente de pensar que as pessoas iriam ler o livro antes de se sentirem ofendidas”, observa.

“E você pode ter certeza, há pessoas que vão e devem se sentir ofendidas, mas entre todas as pessoas sendo zombadas nesse livro, Cristo não é uma delas”, ressaltou.

Pessoas que se sentiram ofendidas reagiriam de maneira diferente caso a obra e salienta que não é Cristo o alvo de sua sátira. O quadrinista diz que seu livro é muito respeitoso às ideias de empatia e perdão pregadas por Cristo, mas não tanto em relação àqueles “que tentam usar Cristo como uma mascote para sua própria ganância e violência”.

O editor-chefe da AHOY, diz nas entrevistas que estão previstos seis revistas, um por mês, a partir de julho. Mais que Por enquanto, não tem planos de lançamento da revista no Brasil.

Escrito por Paulo Da Silva

Adoro escrever sobre curiosidades e notícias diversas. Curioso por natureza, amante de internet e tecnologia. Contato: [email protected]