Estudo revela que chorar uma vez por semana pode ser o segredo de uma vida menos estressada

O choro é, ainda que nem sempre se enxergue dessa forma, um processo de eliminação de algo que não faz bem. Não se trata apenas de algo emocional, é químico também.

Uma pesquisa conduzida no Japão tem feito algumas instituições de ensino, e até mesmo empresas do setor privado, a mudar um pouco de sua forma de conduzir o dia-a-dia. Esse estudo aponta que chorar uma vez por dia pode ser benéfico para o lado emocional, sendo um aliviador de estresse poderoso para qualquer pessoa.

Não é segredo para ninguém que o Japão é um dos países com maior taxa de suicídio entre adolescentes e jovens adultos do mundo. Isso se deve muito ao estilo de vida competitivo que existe no país, onde algumas das decisões mais importantes da vida do indivíduo devem ser feitas ainda muito jovens.

Embora a qualidade de vida e ensino sejam excelentes, a necessidade de se destacar é tão grande que falhas e fracassos não são bem aceitos, podendo levar uma pessoa ao colapso total e, em última instância, ao suicídio. Esse se tornou um grande problema de saúde pública no país, forçando as autoridades a tomar cuidados.

Em 2018, para se ter ideia, cerca de 1000 indivíduos, com idades entre 16 e 64 anos, foram questionados sobre quantas vezes visitaram um profissional da área de saúde mental (psicólogos, psiquiatras, terapeutas, etc), os resultados foram chocantes: 83% afirmou nunca ter ido, enquanto 3% afirmou que faz check-up uma vez ao ano e outros 7% confirmou que frequenta esses médicos 3 vezes ao ano.

Em primeira análise, esses números podem revelar uma sociedade saudável em questões de saúde mental, mas na verdade revela um problema: saúde mental ainda é um tabu, então transtornos e doenças nessa área costumam ser ignorados ou tratados como se fossem apenas um “drama” ou “fraqueza” da pessoa que os tem.

A grande verdade, é que este problema não atinge apenas o Japão, outros países, o Brasil inclusive, ainda encaram a saúde mental como tabu. Transtornos como depressão, ansiedade, bipolaridade, insonia, são todos tratados de forma muito superficial, ou pior, ignorados. O maior problema nisso é o efeito de marginalização que a pessoa sofre, já que esta apenas “querendo chamar a atenção”.

Hidefumi Yoshida, auto-intitulado “professor das lágrimas” tem se dedicado a dar palestras sobre o poder das lágrimas há anos. Ele destaca que chorar é um processo importante que não pode ser banalizado. Chorar realmente é uma forma de colocar as frustrações para fora de alguma forma.

De certa forma, ao longo dos anos, fomos nos tornando cada vez mais envergonhados de nosso próprio choro por ver esse gesto como um ato de fraqueza. O problema é que reprimir o choro só potencializa a angústia que o provoca. Isso gera uma grande bola de neve emocional que se torna cada vez mais difícil de ser controlada.

Nosso corpo é capaz de produzir três tipos diferentes de lágrimas, sendo elas: reflexa, que elimina os irritantes (quando cai xampu nos seus olhos, por exemplo); contínuo, que mantém nossos olhos úmidos; e emocional (quando o choro é provocado por questões emocionais) que estudos descobriram ter certos benefícios para a saúde.

O choro é, ainda que nem sempre se enxergue dessa forma, um processo de eliminação de algo que não faz bem. Não se trata apenas de algo emocional, é químico também. As lágrimas são capazes de eliminar substâncias estressantes do corpo humano. Chorar uma vez por semana pode ser uma forma de eliminar estresse.

 

Escrito por Paulo Da Silva

Adoro escrever sobre curiosidades e notícias diversas. Curioso por natureza, amante de internet e tecnologia. Contato: [email protected]