Jovem de 24 anos, morre em decorrência da Covid-19 no litoral de SP: “Não me deixe morrer”, as últimas palavras ditas ao pai

O relato mais doloroso de um jovem de 24 anos, após estar na luta contra o novo coronavírus.

Após ter sido diagnosticado com o novo coronavírus, Erick Ribeiro Benedito, morreu após vinte oito dias depois de ser hospitalizado. Residente em Peruíbe, no litoral paulista, ele era motoboy e sofreu uma paragem cardíaca depois de sofrer complicações causadas pela doença.

Uma prima da vítima, conta que antes do jovem morrer, ele segurou a mao do pai e falou, para que não o deixasse morrer, agoniado porque ele já não conseguia respirar, relatou nesta sexta (18) ao G1.

A prima da vítima acrescenta ainda, que os sintomas que o jovem teve deram iniciam em novembro, e entre as idas e vindas à unidade hospitalar, ele ainda não tinha sido diagnosticado com a doença.

Após ter sofrido várias dores nas costas, muito cansado e falta de ar. Uma vez que os sintomas não melhoravam, ele teve que ser internado numa unidade hospitalar em Guarujá, no dia 18 de novembro.

Geizica recorda que o pai da vítima, acompanhou todo o processo do filho, e a família estava a espera do resultado do diagnóstico. A prima diz ainda que a todos suspeitavam, ele quando deu entrada no hospital falaram que o pulmão estava praticamente todo comprometido.

Ele já nem conseguia mais respirar, nem usando a máscara de oxigênio, ele estava em desespero. O resultado do diagnóstico já saiu quando ele estava internado. Sem ter direito a visitas, os familiares só sabiam das noticias pelo telefone.

A ultima noticia foi dada na última terça (15). Quando os familiares chegaram à unidade, e descobriram que ele tinha sofrido uma paragem cardíaca. A morte de Erick deixou a família em choque, relata a prima. Ele tinha apenas um contra, como obesidade, um dos fatores mais considerados altos riscos para a doença, mas não tinha outro qualquer tipo de problema.

Ela conta ainda, que ele tinha comprado recentemente o seu primeiro carro e que era muito trabalhador, mesmo em tempo de pandemia, se expondo ao vírus, sendo motobov.

Ele trabalhava na entrega de pizzas, no qual tinha contacto com muita gente, além disso pode ter deixado algum momento e pronto. Após disso, ele passou a ficar mal, e não tinha mais vontade. É muito triste, era no inicio da sua vida, conta a prima.

O caso dele apanhou a família de surpresa e amigos, especialmente pela idade. Ela recorda que o primo era uma pessoa muito calada, mas ao mesmo tempo muito alegre com todos os amigos.

Além disso não ia para festas, contando que ele apenas ficava exposto trabalhando. O caso dele, serve como exemplo para muitos outros jovens, relata a prima. Para terminar Geizica, conta ainda que se pode imaginar é novinho, não vai acontecer nada comigo.

Mas na verdade não é assim, mas em casos como o meu primo, são um exemplo. Eu vi o pai dizer que nunca pensou que algum dia passaria por essa dor enorme de escrever o nome do filho na campa. Ressalta que é preciso ter cuidado.

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!