Mãe recebe indenização milionária após chefe não deixá-la trabalhar em horário flexível

A mulher precisava sair mais cedo para buscar a criança no berçário, mas foi negado o pedido

Uma mãe acabou sofrendo preconceito em seu trabalho por engravidar e consequentemente tirado licença maternidade, ela que precisou se afastar do trabalho contou ter se sentido muito mal devido aos comentários do chefe sobre sua gravides e ao voltar a ativa se sentiu discriminada.

A mulher trabalha como corretora imobiliária e processou seu chefe Manors por discriminação sexual, ela conta que ao anunciar a gravidez foi alvo de muitas piadas internas na empresa, quando precisou sair de licença foi pedido para que ela devolvesse o telefone e chaves da empresa e quando voltou ao pedir um horário flexível de trabalho lhe foi negado prontamente.

PUBLICIDADE

Alice alega que rendeu sempre  bons frutos no seu trabalho e teve muito sucesso na sua carreira, ao voltar a trabalhar pediu que o chefe a liberasse uma hora mais cedo para conseguir buscar a filha na creche, o pedido foi negado com diversas desculpas que não faziam sentido para ela que conhece bem a rotina da empresa.

Ao ter seu pedido negado ela foi obrigada a pedir demissão já que não conseguiria cumprir com as determinações da empresa e decidiu processar seu chefe, ela conseguiu receber como indenização o equivalente a R$ 1,3 milhões de reais.

PUBLICIDADE

O tribunal decidiu que ela foi discriminada por ser mulher e ter tido um filho, também por ser impedida de trabalhar em horários flexíveis acabou tendo prejuízos como a sensação de fracasso e a turbulência de procurar um novo emprego ainda com a filha pequena.

 

Via: revistacrescer.globo.com

PUBLICIDADE

Escrito por Julia Carolina

Gosto sempre de trazer novidades e curiosidades para manter o publico informado no dia dia, sigo a linha de noticias infantis e voltadas ao publico materno, alem de receitas e remédios caseiros.