Mulher cega recebe impressão 3D de fotografia da filha para sentir a sua imagem

Carla precisou escolher entre ter a filha e continuar o tratamento para não ficar cega em decorrência da diabetes

Ao engravidar durante o tratamento contra a diabetes, Carla Andressa Framthi Neves precisou fazer uma escolha complexa. Devido a doença, era necessário que a mulher escolhesse entre dar continuidade a gravidez ou continuar enxergando.

Na ocasião, Carla optou por manter a gravidez e, cinco anos depois do ocorrido, uma ONG localizada na cidade de Piracicaba, São Paulo, imprimiu uma fotografia em 3D da filha de Carla para que ela sentisse a imagem da garota, uma vez que nunca a pôde ver.

O momento em que Carla recebeu a fotografia foi emocionante. Ele aconteceu na sede da ONG, na qual ela havia chegado para ter aula. Sem qualquer ideia do que aconteceria, ela recebeu o relevo e começou a sentir o relevo da foto 3D.

Então, a sua professora lhe explicou que foi escolhida uma foto do Facebook da própria Carla, na qual ela está com a filha, Vitória, e essa foto foi impressa. Quando a mulher sentiu os traços da filha, foi impossível conter as lágrimas.

Uma escolha importante

Atualmente, Carla tem 30 anos. Ela engravidou aos 25 anos e durante o tratamento de diabetes. Ela e o marido já compartilhavam o sonho de ter um filho, mas devido a recomendações médicas, Carla sabia que não poderia engravidar naquele momento.

Ela, que foi diagnosticada diabética aos 6 anos de idade, nunca foi muito rigorosa com relação ao tratamento necessário para evitar futuras complicações.

“Só acontecendo é que a gente cai na real, né”, comentou Carla ao refletir a respeito das consequências de não ter encarado com seriedade a diabetes.

Quando engravidou, Carla já se encontrava em meio a um tratamento cujo objetivo era evitar a eminente cegueira. E, então, ela precisou realizar a importante escolha que mudaria a sua vida, uma vez que o tratamento a laser afetaria o feto e não poderia ser continuado caso a gravidez fosse mantida.

“Pra mim foi muito difícil, a escolha que eu tive que fazer. Ia mudar tudo, a rotina… o recomeço é difícil – é começar tudo de novo, só de outra forma. É tentar esquecer aquela Carla que enxergava e viver a Carla que não enxerga hoje”, afirma a mulher.

 

Escrito por Paulo Da Silva

Adoro escrever sobre curiosidades e notícias diversas. Curioso por natureza, amante de internet e tecnologia. Contato: [email protected]