Pesquisa revela que pessoas otimistas podem viver mais

Pesquisadores de Harvard e Boston investigaram a respeito de fatores psicossociais

Após décadas de pesquisas sendo feitas, um novo estudo agora vem para sugerir que o otimismo possui uma relação direta com a vida longa das pessoas.

A pesquisa foi realizada por estudiosos da faculdade de medicina da Universidade de Boston e de saúde pública de Harvard. O estudo demonstrou que o otimismo pode ser um excelente combustível para as pessoas conquistarem uma longevidade, passando dos 85 anos de idade.

A ciência vem cada vez mais realizando pesquisas para descobrir a respeito de fatores que podem influenciar e desencadear doenças que podem levar à morte prematura de indivíduos, mas pouco se sabe a respeito dos fatores psicossociais que poderão levar à uma maior longevidade.

Para os estudiosos, o otimismo se trata de um sentimento que determina que a pessoa acredita que boas coisas poderão acontecer. Ou até mesmo aqueles que acreditam que o futuro poderá lhes ser favorável devido ao controle e variáveis importantes que irão determinar isso.

A pesquisa foi realizada contando com quase 70 mil mulheres e cerca de 1.400 homens. Para isso os grupos responderam questionários que tinham a intenção de medir o nível de otimismo, e também a respeito da saúde de uma forma geral e seus hábitos, como alimentação, se fumam ou consomem álcool.

A mulheres que participaram do estudo foram acompanhadas por 10 anos pelos pesquisadores, enquanto os homens foram acompanhados por três décadas. Ao analisarem os dados a respeito das pessoas que estavam sendo estudadas, os pesquisadores acabaram percebendo que os mais otimistas acabaram vivendo por um tempo maior.

Além de viverem um tempo mais longo, estes também demonstraram que tinham mais chances de atingir os 85 anos de idade, ao serem comparados com os que demonstraram serem menos otimistas.

Segundo Lewina Lee, PhD e professora assistente em psiquiatria da Universidade de Boston, este estudo se mostra muito relevante até mesmo para questões de saúde pública, por sugerir que o otimismo pode ter um grande potencial para que a vida das pessoas sejam estendida.

Para a professora de Harvard, Laura Kubzansky, o otimismo pode estar intimamente relacionado ao fato de controle emocional, para aprender a regular a respeito das emoções e também no controle comportamental.

Os pesquisadores também observaram que possuem um ânimo maior também acabam cultivando hábitos mais saudáveis. Para Lewina este trabalho é voltado para que as pessoas acabem desenvolvendo uma maior resiliência durante todo o processo de envelhecimento que lhe aguarda.

 

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.